4 vantagens de atuar na agricultura em Campo Grande/MS

homem e mulher felizes trabalhando com agricultura em campo grande

A agricultura é uma das bases da economia desde o início do Brasil. Essa atividade vem sendo praticada há milhares de anos e foi extremamente importante no processo de ocupação do território brasileiro, em que foram organizados os latifúndios. Neles, eram criadas monoculturas voltadas para a exportação.

Atualmente, as atividades agrícolas estão cada vez mais diversificadas e modernas, e a agricultura é responsável por uma parte relevante do PIB (Produto Interno Bruto) do país. Além disso, o foco não é somente a exportação, uma vez que há um grande mercado interno composto pelos brasileiros.

O Mato Grosso do Sul é um dos estados que tem na agropecuária uma de suas maiores forças econômicas. De acordo com levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o MS tem 12 entre as 100 principais cidades agropecuárias do país.

Por esse motivo, existem várias vantagens em trabalhar com a agricultura no MS. O destaque fica para a capital, Campo Grande, a primeira cidade do Brasil a ter implementação digital nas atividades de agricultura familiar.

A Uniderp preparou neste artigo um panorama sobre a atual situação da agricultura em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e as vantagens de trabalhar com o setor agrícola na capital. Veja mais detalhes por meio da leitura dos seguintes tópicos:

  • crescimento econômico do setor;
  • diversidade de áreas de atuação;
  • oportunidades de trabalho;
  • valorização do profissional formado.

Vamos lá?

1. Crescimento econômico do setor

Em 2019, segundo dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) e com a Fealq (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz), o agronegócio brasileiro encerrou o ano com conquistas importantes e um novo recorde.

O PIB do Brasil foi erguido pela agropecuária, com crescimento de 1,3%. Com esse desempenho, o PIB do agronegócio representou 21,4% do PIB brasileiro total. Além do complexo de carnes, destacou-se o forte aumento no volume exportado de milho, soja, café, algodão, frutas e etanol.

No Mato Grosso do Sul, especificamente, houve crescimento de 10,89% no valor da produção no ano de 2019. O aumento foi de 17,8% na pecuária e de 7,3% na agricultura, o que se deve a uma evolução na área agrícola. O plantio de milho, por exemplo, teve um volume de 12,1 milhões de toneladas, sendo 6,8% maior do que o obtido em 2018.

O levantamento divulgado pelo MAPA mostra que as 12 cidades do MS com maior produção agricultora cresceram 9,81%, em média, entre os anos de 2014 e 2016, apresentando crescimento sempre positivo nos anos seguintes.

2. Diversidade de áreas de atuação

Mencionamos na introdução o pioneirismo do uso de tecnologia na agricultura familiar de Campo Grande. Confira, a seguir, mais detalhes dessa área de atuação, bem como as outras possibilidades que você encontra no MS.

Agricultura familiar

A agricultura familiar é desenvolvida em propriedades rurais menores e recebe esse nome por ser gerenciada e realizada pelos pequenos agricultores de uma mesma família. Os alimentos são cultivados, primeiramente, para o sustento dos integrantes, e o que sobra é destinado ao restante da população.

Além de ser uma atividade muito importante para o sustento de diversas famílias nas zonas rurais, as fontes já compartilhadas estimam que cerca de 70% dos alimentos consumidos no Brasil são derivados da agricultura familiar. Nesse tipo de agricultura, as técnicas de plantio, cultivo e extrativismo são tradicionais, com embasamento popular.

Agricultura de orgânicos

O Brasil é, atualmente, um grande produtor de alimentos orgânicos. Esse tipo de cultivo tem como principal objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, com ênfase na proteção do meio ambiente, no cuidado com a saúde humana, na maximização dos benefícios sociais e na minimização do uso de energia não renovável.

Dessa forma, não devem ser utilizados agrotóxicos e fertilizantes solúveis, organismos geneticamente modificados ou radiações ionizantes no cultivo de alimentos orgânicos. Atualmente, há cerca de 17 mil propriedades certificadas para plantio orgânico, sendo que a maioria é composta de pequenos produtores.

Grandes lavouras

A mecanização das lavouras revolucionou a agricultura nacional. Somente com o uso de maquinário e de mão de obra qualificada é possível plantar, cuidar e colher grandes quantidades de grãos, de frutas e de outros tipos de insumos agrícolas.

É por esse motivo que, em produções de alta escala, é fundamental ter o uso de tecnologia. Devido à maior demanda por alimentos, somente a modernização poderia oferecer uma produção dentro da janela de plantio que as lavouras apresentam.

Como exemplo, é possível citar o plantio de café. Dois meses de trabalho, em média, é o necessário para colher cinquenta hectares de café, manualmente. Em modo automatizado, isso é feito em, no máximo, 2 semanas. Dessa forma, nesse tipo de plantio, há destaque para a agricultura comercial.

3. Oportunidades de trabalho

Os outros estados produtores de grãos do Brasil apresentaram redução ou ficaram estagnados, enquanto a área agricultável do Mato Grosso do Sul teve um aumento de 3,6% em apenas um ano. Esse aumento foi possível pela maior produção de milho e de soja.

Para ter uma ideia, segundo a Federação Agricultura e Pecuária do Mato Grosso do Sul (Famasul), a área plantada de soja na safra 2018/2019 no MS correspondeu a 2,900 milhões de hectares. Em nível de comparação, essa extensão territorial equivale, aproximadamente, ao tamanho da Bélgica, que apresenta 3 milhões de hectares.

Essas dados significam não só aumento das oportunidades de trabalho, mas também uma maior diversidade das áreas de atuação. Mesmo no momento de crise financeira apresentado em 2019, o Mato Grosso do Sul criou cerca de 15 mil vagas no mercado formal de trabalho. Esse foi o maior crescimento no saldo de empregos do país, com índice de 2,90%, visto que a média nacional foi de 0,91%.

4. Valorização do profissional formado

Como visto, a Agronomia tem passado por uma crescente valorização nos últimos anos, tendo sido destaque no Mato Grosso do Sul. Dessa forma, há maiores exigências de qualidade e de controle dos produtos de origem animal e vegetal no mercado, tanto internacional quanto nacional.

Nesse contexto, alguns profissionais são indispensáveis para o sucesso da agricultura. Para quem deseja trabalhar na área, há algumas profissões bastante interessantes, como agrônomo ou engenheiro ambiental — profissionais graduados em Agronomia ou em Engenharia Ambiental, respectivamente. Isso porque esses profissionais envolvem-se em praticamente todas as etapas do agronegócio, tornando-o produtivo e efetivo.

Como você viu, os dados apresentados são bastante positivos para quem deseja entrar no mercado de agricultura aqui em Campo Grande: a perspectiva é de aumento constante e mercado de trabalho aquecido. Para alcançar bons cargos nessa área de atuação, ter um diploma como agrônomo ou engenheiro ambiental é fundamental. Assim, não perca tempo e comece a sua qualificação profissional quanto antes!

Se você pensa em cursar Agronomia em Campo Grande, precisa conhecer mais detalhes sobre o curso aqui da Uniderp. Veja o nosso guia completo do curso e da profissão!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

cursos uniderp

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.