Faculdade de Agronomia no MS: o guia completo do curso e da profissão

faculdade de agronomia no ms

A lista das profissões do futuro nunca é estanque, e você certamente já deve ter visto diferentes seleções de carreiras promissoras, não é mesmo? Talvez essa seja uma novidade para você, mas neste guia vamos mostrá-lo porque a faculdade de Agronomia é uma excelente aposta para os próximos anos, principalmente para quem mora em Mato Grosso do Sul.

O estado tem como principais atividades econômicas a agricultura, a pecuária, a mineração e a indústria — e a faculdade de Agronomia consegue intercalar todos esses setores. O resultado? A formação de profissionais capazes de atuar em diversas esferas da cadeia de produção.

Animou-se com as oportunidades de qualificação e entrada no mercado de trabalho como agrônomo em MS? Então, continue por aqui, pois esclareceremos todas as suas dúvidas sobre a faculdade e a carreira!

O que faz um agrônomo?

Quem estuda Agronomia — ou Engenharia Agronômica (são sinônimos, mas explicaremos com detalhes mais adiante) — se torna um engenheiro agrônomo. A principal função social desse profissional envolve a produção de alimentos, mas a carreira é bem mais que isso.

Além de manejar as atividades agrícolas propriamente ditas, hoje, o agrônomo pode atuar em todos os setores da cadeia produtiva do Agronegócio — tanto nos que se referem às atividades chamadas de “antes da porteira” como nos que abrangem a etapa “depois da porteira”.

Ou seja, o profissional é capacitado para atuar diretamente com os produtores rurais no desenvolvimento e no comércio de fertilizantes, de defensivos químicos e biológicos, de sementes e de máquinas agrícolas. Também atua no manejo do solo, no planejamento das operações agrícolas e das safras, no manejo integrado das pragas, das doenças e das ervas daninhas, na colheita e no armazenamento dos produtos.

Além disso, pode trabalhar diretamente com animais, na recuperação ou manutenção de pastagens e no manejo dos rebanhos, buscando a sua melhor produtividade. Todas essas atividades estão entremeadas com uma consultoria prestada aos produtores rurais e aos representantes dos demais setores do agronegócio.

Fora das fazendas, atua no processamento, na industrialização, na comercialização, na distribuição e na logística dos produtos. Isso tudo significa que o agrônomo exerce uma profissão ligada às técnicas e às questões econômicas, ambientais e sociais voltadas para a demanda mundial por alimentos seguros.

Em resumo, o engenheiro agrônomo é apto para planejar, coordenar e executar as atividades ligadas a todos os setores da cadeia de produção do agronegócio. Não é pouca coisa, concorda?

Quais são as opções de áreas de atuação para o agrônomo?

Como você viu, o agrônomo desempenha uma série de funções e, por isso, pode imaginar a quantidade de áreas de atuação no mercado. Essa é uma ótima notícia, pois significa que as oportunidades não são poucas.

É possível encontrar esses profissionais trabalhando em fazendas, em revendas agrícolas e pecuárias e dando consultorias no interior dos estados brasileiros, bem como atuando em meio à Avenida Paulista (SP) negociando commodities na BM&F (Bolsa de Valores) ou, ainda, desenvolvendo softwares de gestão e de agricultura/pecuária de precisão.

Além disso, os setores do agronegócio requisitam cada vez mais os conhecimentos dos profissionais formados em Agronomia, tanto para administrar os negócios quanto para ocupar altos cargos de gestão e planejamento. E, ainda, todo agrônomo pode se especializar e seguir carreira na pesquisa e na docência do ensino superior.

Então, entre as diversas funções que o engenheiro agrônomo pode exercer estão:

  • administração de propriedades rurais;
  • produção animal e vegetal;
  • ciência do solo e da água;
  • gestão de sustentabilidade;
  • engenharia e extensão rural;
  • indústria de alimentos;
  • indústria de equipamentos e insumos rurais;
  • pesquisa acadêmica.

Já conseguiu se imaginar trabalhando em alguma dessas áreas? Então, siga a leitura, pois você vai entender por que a faculdade de Agronomia é tão promissora no MS.

Como é o mercado de Agronomia no Brasil?

Se alguém falar em agronegócio, é impossível não se lembrar do Brasil, concorda? Muito justo, afinal, não é novidade para ninguém que o nosso país é líder em produção e exportação de inúmeros produtos agrícolas e que ocupa posições de destaque nos rankings mundiais, sendo um importante elo na economia global.

Por falar nisso, é amplamente sabido que as atividades agrícolas e pecuárias são o carro-chefe da economia nacional e, hoje, representam cerca de 21, 6% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Isso demonstra que a base econômica do país é a produção dessas matérias-primas, o que evidencia as enormes oportunidades de empregos por todo o nosso território.

Além disso, segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (Embrapa), entre os anos de 2003 e 2016, o Governo gastou cerca de 46,3% a mais em incentivos à pesquisa e desenvolvimento na área. Hoje, o país continua liderando os investimentos em pesquisa agropecuária na América Latina.

Em time que está ganhando não se mexe, não é mesmo? Isso quer dizer que o setor do agronegócio sempre terá prioridades na agenda do Governo, incentivando a geração de empregos, principalmente em regiões promissoras como o Centro-Oeste brasileiro.

Com o crescimento acelerado da população mundial e a diminuição de terras agriculturáveis em diversos países (como na China e no Japão), o Brasil representa uma peça fundamental para atender a demanda por alimentos. A vastidão de terra no país e o clima tropical favorecem o desenvolvimento das atividades por aqui.

Além disso, as pesquisas desenvolvidas em faculdades e universidades brasileiras, bem como em órgãos governamentais (como a Embrapa) em conjunto com fazendeiros e produtores rurais apontam a excelência do país quando o assunto é inovação agrícola. A cada ano, cultivares e animais são geneticamente melhorados para se adaptarem às nossas condições climáticas, a fim de atingirem todo o seu potencial produtivo.

E entre todos os pesquisadores e colaboradores dessa cadeia de produção, podemos encontrar um engenheiro agrônomo envolvido. Bacana, não é mesmo?

Por que o mercado é tão promissor no MS?

No início do post, falamos que as atividades que mais movimentam a economia do estado do Mato Grosso do Sul são as agropecuárias, as mineradoras e as industriais. Em relação à participação no PIB nacional, dados divulgados em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, em 2017, a região Centro-Oeste foi a que obteve maior crescimento no país, chegando a 3,9%.

Ainda de acordo com os números do IBGE, o estado do MS teve uma participação no PIB nacional de 1,1% em 2002 para 1,5% em 2017. Se você acha que isso não é suficiente para comprovar o crescimento do MS, calma, pois 2019 não fica atrás. Diversos setores recuperaram suas forças, mas, claro, o agronegócio cresceu 10,8%, impulsionando a economia regional.

Segundo o portal do governo do estado, Mato Grosso do Sul tem a 6ª maior taxa de desenvolvimento econômico do país. Essas informações apenas comprovam as grandes oportunidades de atuação profissional no mercado.

Em época de crise e em meio a índices assustadores de desemprego no Brasil, a porcentagem de admissões foi maior que a de demissões no MS. Essa é uma notícia bastante animadora, principalmente para quem decide se qualificar e fazer uma faculdade de Agronomia.

Incentivos da parte do governo não faltam; demandas alimentares da população, menos ainda. O que precisa para você decidir cursar uma graduação na área agronômica? Quer mais motivos? Então, veja nosso próximo tópico!

Por que Agronomia é uma carreira promissora?

Bom, até aqui já falamos diversas vezes sobre a enorme demanda mundial por alimentos. Isso por si só já seria motivo suficiente para a Agronomia figurar todas as listas de cursos e profissões do futuro, concorda? Afinal, se há a necessidade de mão de obra em quaisquer setores produtivos de um país, uma qualificação na área sempre resultará em destaque.

Quando o assunto envolve saúde, bem-estar e qualidade de vida para os seres humanos, a carreira sempre será promissora e atual, ao mesmo tempo. E esse é o caso de quem cursa a faculdade de Agronomia — graduação que forma profissionais diretamente ligados à produção de alimentos para as pessoas.

Para você ter uma ideia do quão importante esse curso é, que tal darmos uma voltinha ao passado e conversarmos sobre a Evolução Humana? Nos primórdios da nossa civilização, nossos ancestrais eram coletores-caçadores, ou seja, se alimentavam da caça de animais e da coleta de vegetais disponíveis no entorno. Isso levava as comunidades a terem uma vida nômade, sem criar raízes em um lugar, sempre buscando alimento.

Contudo, coexistiam outras comunidades formadas por agricultores sedentários, ou seja, pessoas que escolhiam um lugar para se fixar e cultivavam seus próprios alimentos, sem esperar que a natureza os ofertasse. Com o passar dos anos, esse estilo de vida se espalhou pelo mundo e, hoje, restam poucos grupos nômades por aí.

Isso tudo só para você ver a beleza por trás desses costumes e para perceber que o domínio da terra, dos vegetais e dos métodos de criação de animais foram fundamentais para a formação da sociedade tal como a conhecemos hoje.

De lá para cá, vimos a humanidade se desenvolver estrondosamente e, de tempos em tempos, quando o salto de crescimento é notório, chamamos o período de Revolução. Quando Thomas Malthus publicou seu ensaio sobre a população, em 1798, afirmando que a população mundial crescia em descompasso à produção de alimentos — em uma taxa exponencial, muito rápida, contra uma taxa em escala logarítmica, muito lenta — ele não tinha o poder de prever o que viria depois da Segunda Guerra Mundial, por volta da década de 1950.

A chamada trouxe imensuráveis avanços para a sociedade, inserindo a tecnologia na Agronomia. O objetivo dos pesquisadores envolvidos nos projetos era o de aplicar métodos tecnológicos para elevar a quantidade de alimentos em uma mesma área.

Os melhoramentos genéticos possibilitaram a criação de sementes, cultivares e animais mais resistentes e produtivos, aumentando drasticamente a produção de alimentos no mundo todo. Logo em seguida, a mecanização da agricultura contribuiu para a continuidade do crescimento.

Consegue perceber aonde queremos chegar? Hoje, o mundo atravessa um período crítico, no qual precisamos solucionar problemas que esse avanço do agronegócio gerou e iniciar de vez a Revolução Sustentável, que prevê o uso racional dos recursos naturais com o pleno atendimento às necessidades humanas.

Isso significa que o agrônomo tem um papel-chave em meio às cadeias produtivas, pois sua formação busca por maior produtividade em menos tempo e em menor área. Esse profissional tem a capacidade de mesclar conhecimentos sobre solo, plantas, animais e minerais de tal forma que visa assegurar uma produção lucrativa, mas com qualidade e preservação do meio ambiente.

Ou seja, a carreira do agrônomo tem tudo para ser um sucesso, principalmente porque os avanços tecnológicos não cessam, contribuindo para que o trabalho do profissional seja mais preciso. Quer mais um incentivo? Segundo o Catho, a média salarial do engenheiro agrônomo hoje é de R$ 4.959,58, podendo variar de acordo com a região em que atua.

Qual o perfil do profissional ideal de Agronomia?

Se você chegou até aqui, é porque tem interesse na profissão e quer saber se você se encaixa no perfil do estudante de Agronomia, certo? Quanto às características pessoais, o engenheiro agrônomo precisa ter facilidade para trabalhar em equipe e foco em resultados, além de ser proativo, resiliente e comunicativo.

Tanto o estudante de graduação quanto o profissional formado precisam gostar de ter contato direto com o campo, as plantas e os animais, já que suas principais atribuições acontecem na zona rural. Além disso, é importante ser flexível e adaptável, desenvolvendo a capacidade de identificar problemas e sugerir soluções referentes à gestão das propriedades rurais e ao processo de produção de alimentos.

O engenheiro agrônomo precisa ter interesse em Administração, Química e Biologia (Botânica e Zoologia), mas também ter aptidão com números, pois ao longo da carreira vai precisar interpretar dados e estatísticas. Também é fundamental que lide bem com as tecnologias e que esteja sempre se atualizando sobre as inovações do mercado para aplicar em seus negócios.

Portanto, o que se espera de um engenheiro agrônomo é que ele tenha uma visão sistêmica e interdisciplinar dos processos da cadeia do agronegócio e que desempenhe suas funções com ética. Se identificou com as características?

É muito comum que os estudantes tenham dúvidas sobre cursar Agronomia ou Medicina Veterinária, uma vez que ambas as profissões podem lidar com grandes animais e que complementam seus conhecimentos em campo. Entretanto, o foco do veterinário é outro.

Se você ainda está receoso em tomar sua decisão, que tal fazer um teste vocacional no Giro de profissões para ver o que mais combina com você?

Como é a faculdade de Agronomia?

Logo no início do nosso post falamos que esclareceríamos a questão do termo utilizado para se referir à faculdade e ao profissional, já que existem cursos de Engenharia Agronômica e Agronomia espalhados pelo país. Pois bem, o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) padronizou a nomenclatura e Agronomia é o curso que forma engenheiros agrônomos.

O curso de graduação em Agronomia tem duração de 5 anos e é do tipo bacharelado. É possível encontrar modos EAD, mas aqui na Uniderp em MS o curso tem modalidade presencial para ser bem dinâmico e interativo, oferendo aos alunos um contato direto com o campo e as aulas práticas desenvolvidas nele.

De um modo geral, os 2 primeiros anos da graduação dispõem de disciplinas básicas, principalmente da área das Exatas e das Ciências Biológicas, tais como Cálculo, Estatística, Matemática, Citologia, Bioquímica e Genética. Nos outros 3 anos, as matérias são mais profissionalizantes, e o aluno aprenderá sobre Engenharia Agrícola, Engenharia Florestal, Zootecnia, Fitotecnia, Ciência Do Solo, Economia e Extensão Rural.

Como você pode imaginar, a faculdade de Agronomia tem muitas aulas práticas, ministradas em laboratório e em campo, por meio de visitas técnicas. O Confea recomenda que a graduação tenha uma estrutura que possibilite a prática em laboratório das seguintes atividades:

  • Biologia e Microbiologia;
  • Biologia Molecular;
  • Cultura de Tecidos;
  • Fitopatologia;
  • Entomologia;
  • Fisiologia Vegetal;
  • Solos e Nutrição de Plantas;
  • Sementes;
  • Micropropagação;
  • Casa de Vegetação;
  • Irrigação e Drenagem;
  • Informática;
  • Alimentos;
  • Topografia;
  • Nutrição Animal;
  • Produtos Florestais;
  • Equipamentos;
  • Máquinas e Implementos Agrícolas;
  • Equipamentos e Aparelhos de Climatologia e Agrometeorologia;
  • Campo Experimental.

É claro que essa é uma estrutura recomendada e pode haver variação nos cursos do país. No entanto, esses são os conhecimentos básicos que toda faculdade deve disponibilizar para seus estudantes.

Ah! No final da graduação, o aluno precisa entregar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), como em todo Bacharelado. Aqui, já é bom lembrar que para exercer a profissão o agrônomo deve fazer seu registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA) do estado em que atua.

Quais são as principais matérias estudadas?

Como dissemos no tópico anterior, é normal haver algumas diferenças na estrutura, na oferta ou no período em que as disciplinas são ministradas na faculdade. Mas, basicamente, o curso de Agronomia conta com as disciplinas básicas das Ciências Exatas, Humanas e Biológicas, tais como:

  • Administração,
  • Cálculo;
  • Estatística;
  • Química;
  • Física;
  • Botânica;
  • Genética;
  • Zoologia;
  • Fisiologia Animal;
  • Fisiologia Vegetal.

Também conta com as disciplinas profissionalizantes, que promovem o melhor entendimento dos fenômenos naturais e seus processos, como:

  • produção de plantas alimentícias fibrosas, energéticas e ornamentais;
  • processamento de produtos agropecuários;
  • máquinas e implementos agrícolas;
  • nutrição e adubação de plantas;
  • manejo de pragas;
  • produção de animais;
  • biotecnologia;
  • meteorologia;
  • irrigação e drenagem;
  • topografia e geoprocessamento;
  • construções rurais;
  • gestão agropecuária;
  • economia e administração;
  • extensão rural;
  • classificação e conservação do solo;
  • ecologia e manejo ambiental de propriedades rurais.

Os alunos da Uniderp ainda têm a oportunidade de complementar sua grade curricular por meio das Disciplinas Interativas, ou DIs. Essas matérias preparam o aluno para a realidade fora da faculdade, no mercado de trabalho.

Como você já sabe, isso é imprescindível, pois grande parte das empresas exige que os engenheiros agrônomos tenham domínio sobre as tecnologias e desenvoltura para utilizá-las em treinamentos, além de em apresentações online.

Como escolher uma boa faculdade de Agronomia?

Muito bem, você chegou até aqui e deve estar muito decidido a cursar Agronomia, certo? Mas como escolher a melhor faculdade no MS? Separamos algumas dicas importantes para você não vacilar na sua escolha.

Verifique a avaliação do curso pelo MEC

Em primeiro lugar, é obvio que a faculdade deve ser aprovada e credenciada pelo Ministério da Educação (MEC). Afinal, o seu diploma precisa ser válido para poder atuar na área.

Confira a localização da faculdade

A modalidade presencial requer que os estudantes tenham um pouco mais de flexibilidade em seus horários, mas nem por isso você tem tempo a perder, não é? Procure escolher uma faculdade que tenha boa localização e facilite a sua rotina corrida.

Além disso, escolher uma instituição que esteja muito próxima das agroindústrias e das áreas de cultivo é superinteressante. O contato durante a graduação facilita bastante a sua inserção no mercado de trabalho, ainda mais para quem mora em MS.

Avalie o corpo docente, a grade curricular e a metodologia de ensino

É muito importante que você conheça a grade curricular da faculdade para ter uma ideia de como o curso é ministrado e não se frustrar depois de ingressar nele. Também é essencial saber das metodologias de ensino e da qualificação dos professores, já que eles serão seus mentores durante o curso.

Verifique a infraestrutura da instituição

Como o curso de Agronomia tem bastantes aulas práticas em campo e em laboratório, é fundamental que você saiba se a faculdade tem infraestrutura para receber seus estudantes. Além disso, veja se a instituição tem bibliotecas e um campus com áreas para estudos, alimentação, interação e descanso.

Certifique-se do valor da mensalidade

O valor de um curso não pode ser usado como parâmetro para atestar sua qualidade, porém, convém ser prudente e ficar atento aos preços muito baixos. Afinal, a instituição precisa arcar com os custos de infraestrutura.

A boa notícia é que, hoje, o ensino superior deixou de ser apenas um sonho para se tornar uma realidade na vida de muita gente, devido aos variados incentivos e às facilidades de pagamento das mensalidades. Os valores podem ser parcelados de tal forma que não prejudiquem o orçamento familiar.

Como você pôde ver, a faculdade de Agronomia abrange diversas áreas do conhecimento e forma profissionais aptos para melhorarem todas as etapas da cadeia produtiva do Agronegócio. A carreira é promissora, tanto para quem deseja se especializar e entrar no mercado de trabalho quanto para quem quer qualificação e autonomia para tocar seu próprio negócio. Para quem mora em MS, as oportunidades são ainda mais atrativas.

Você tem vontade de ter uma experiência profissional fora do país? Então, saiba agora por que os agrônomos brasileiros conseguem tantos empregos no exterior!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

cursos uniderp

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.