6 características da economia na região Centro-Oeste

A recessão da economia brasileira teve início há cerca de 5 anos e, até o momento atual, nenhum setor voltou ao nível pré-crise. No entanto, algumas regiões estão tendo maior sucesso que outras no processo de recuperação do mercado financeiro.

A região Centro-Oeste, por exemplo, que é composta pelo Distrito Federal e os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, teve a maior alta entre as regiões do país durante o período de maio a agosto de 2019.

Grande parte desse crescimento se deve às promissoras características econômicas da região, como o forte setor agrícola, o maior rebanho bovino do país e as atividades mineradoras e extrativistas competitivas, entre outras.

Neste artigo, falaremos mais das seguintes características a respeito da região Centro-Oeste:

  • maior rebanho bovino do país;
  • forte setor agrícola;
  • grande setor de serviços nas capitais;
  • atividade mineradora;
  • atividade extrativista;
  • crescimento da construção civil.

Não deixe de acompanhar!

1. Maior rebanho bovino do país

A pecuária é, sem dúvidas, a atividade de maior destaque na região Centro-Oeste. Isso se deve, primeiramente, à baixa densidade demográfica do território, ou seja, há poucos habitantes por quilômetro quadrado (hab/km²). Apesar de ser a segunda maior região do Brasil em extensão territorial, também é a segunda com menor índice populacional.

Devido a essa característica, o Centro-Oeste é uma excelente opção de local para desenvolver criações de forma extensiva. Dentre os tipos de criações na pecuária, a bovinocultura é a mais forte na região, correspondendo a cerca de 36% da produção nacional. Nessa região, há o maior rebanho bovino do país, com cerca de 70 milhões de cabeças de gado.

Outros fatores que favorecem a pecuária são as condições naturais, como o clima, relevo, vegetação e a abundante água da região. O Centro-Oeste tem diversas pastagens naturais e lagos, que são ideais para alimentar os rebanhos. Destaca-se a criação de gado para corte, embora também haja baciais leiteiras. É interessante citar que o segundo tipo de criação mais comum é a suinocultura.

2. Forte setor agrícola

A produção agrícola da região Centro-Oeste também merece destaque. Em 2017, ela liderou mais uma vez a produção brasileira com 90,6 milhões de toneladas de grãos dos 213 milhões de toneladas projetadas para a safra de 2016/2017. Dentre as principais culturas, pode-se citar a soja e o milho, dos quais estado do Mato Grosso aparece como o maior produtor.

Atualmente, o Centro-Oeste detém produtividade expressiva de grãos. Além das culturas de soja e milho já citadas, o cultivo de algodão, arroz, café e cana-de-açúcar também são importantes na região. Por esse motivo, os profissionais formados em Agronomia conseguem bons empregos na região.

Detendo a liderança, o estado de Mato Grosso é o maior produtor das três principais commodities brasileiras: milho, soja e algodão. Em 2020, estima-se que a performance da região se repita.

3. Grande setor de serviços nas capitais

Os Estados da região Centro-Oeste do Brasil e capitais, respectivamente, são: Distrito Federal/Brasília, Mato Grosso/Cuiabá, Mato Grosso do Sul/Campo Grande e Goiás /Goiânia.

Brasília, além de ser o centro político do país, detém um dos maiores PIB’s per capta do Brasil, ficando em terceiro lugar em 2017. A economia dessa capital é girada, basicamente, pelo setor de serviços. Atualmente, essa área é responsável por cerca de 71% de toda a atividade econômica. O segmento de informação, composto por telefonia móvel, acesso à internet e TV por assinatura, é o destaque, crescendo mais a cada ano.

Já em Cuiabá, o setor de serviços tem outro foco. Em 2019, houve crescimento de 1%, o que é positivo, visto que não houve nenhuma alta desde 2014. Os responsáveis por esse crescimento foram os serviços de informática e comunicação, avançando 3,3%. Isso se deve pelo desenvolvimento de softwares, consultoria em tecnologia da informação, boas atividades de portais e ferramentas de busca na internet.

Segundo dados do IBGE, o setor de serviços foi responsável pela maior porcentagem do PIB do Mato Grosso do Sul em 2017, com valor estimado em R$ 35,4 bilhões. Campo Grande figura como o principal município no ranking, que contribui para o PIB com R$ 14,1 bilhões. Nessa capital, se destaca o turismo ecológico promovido na cidade de Bonito e no Pantanal.

4. Atividade mineradora

A região Centro-Oeste é abastecida com significativas jazidas de ferro, estanho, manganês, calcário e mármore. O destaque fica por conta do maciço (ou morro) de Urucum, localizado em Corumbá, no Mato Grosso do Sul.

Nessa região há uma grande jazida de minério de ferro e manganês de ótima qualidade. Por esse motivo, o minério de ferro figurou entre os 10 principais componentes da balança comercial do Mato Grosso do Sul em 2018.

5. Atividade extrativista

O extrativismo vegetal é uma importante atividade econômica no Centro-Oeste, principalmente nas áreas distantes de grandes centros. A Floresta Amazônica, que recobre a parte norte dessa região, oferece borracha e madeiras, como o mogno, o cedro e o imbuia.

No sudoeste do estado do Mato Grosso, destaca-se a extração das raízes de angico e a poaia, que fornecem matéria-prima para a indústria farmacêutica. No Pantanal, o extrativismo vegetal tem o quebracho como elemento principal. Dele, extrai-se o tanino, que é utilizado no curtimento de couro.

6. Crescimento da construção civil

No primeiro trimestre de 2019, o setor da construção civil apresentou o melhor desempenho desde 2014, crescendo 4,4%, segundo dados do IBGE. No Centro-Oeste, o crescimento desse setor se deu principalmente pela renda gerada pelo agronegócio.

Além disso, a região Centro-Oeste apresentou a menor alta do custo de construção civil. Enquanto o Norte aumentou os custos em 0,53%, o Centro-Oeste teve um aumento de apenas 0,20%. Sem dúvidas, menores índices de aumento servem como impulso para o crescimento da construção civil.

E então, entendeu como funciona a economia da região Centro-Oeste? Apesar de a agropecuária ser bastante forte nessa área, há importância crescente do setor de serviços e na indústria. Além de ter promissoras características e boas oportunidades econômicas, esse território tem outra grande vantagem: as grandes cidades e capitais oferecem excelente qualidade de vida para os seus habitantes — não é a toa que Campo Grande é tida como uma das 10 capitais mais felizes do Brasil!

Existem várias profissões que estão em alta e se relacionam com a economia da região Centro-Oeste. Quer saber mais sobre o assunto? Então, confira o artigo e não saia do nosso blog!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

cursos uniderp

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.